Feche os olhos por um instante. Agora, imagine que foi obrigado a deixar o Brasil. Por alguma circunstância alheia ao seu controle, você teve que deixar para trás seus entes queridos e está agora em um país estranho, com costumes diferentes, onde não entendem o que você fala e você também não entende o que tentam lhe dizer.

Assustador, não?

Agora, abra os olhos e experimente enxergar o que está em torno de você. É possível que nos últimos dias pelo menos um refugiado tenha atravessado o seu caminho. Atualmente, eles já são mais de 87 mil, espalhados por todo o país, mas principalmente nas grandes cidades.

Talvez o surpreenda saber que, em sua maioria, têm boa qualificação profissional. Inclusive em campos e disciplinas não facilmente encontrados aqui.

Eles vieram para cá porque estavam ameaçados de morte, envolvidos contra a vontade em guerras civis e lutas religiosas. E querem provar que podem ser úteis e produtivos para o nosso país.

Para os refugiados, o Brasil é a Terra da Vida, a Terra da Liberdade. Cabe a nós fazer com que sintam que é também a Terra da Dignidade.

O que mais precisam é de um gesto de humanidade. Por isso, criamos uma máquina – a máquina de CVs. Um totem interativo em que as pessoas podem assistir vídeos com testemunhos reais dos refugiados e podem pegar um currículo para levar para suas empresas ou divulgarem entre amigos e conhecidos.

COMO SURGIU A MÁQUINA DE CVs?

A ideia nasceu em abril de 2017, quando o Human Rights Watch Brasil ofereceu ao Estou Refugiado um espaço na exposição Farida, Um Conto Sírio, do fotógrafo Maurício Lima, que foi realizada no Museu da Imagem e do Som, em São Paulo.

Foi uma oportunidade fantástica, aproveitada de forma bem impactante. O totem é basicamente uma estrutura onde está montado um monitor ligado a um computador. Nesse monitor, ficam passando fotos com os rostos de refugiados. Os interessados acionam um grande botão verde que faz parar aleatoriamente o carrossel de imagens. Então, inicia-se um vídeo com o depoimento de um refugiado e um currículo impresso sai por uma abertura abaixo do monitor.

Simples, mas extremamente efetivo: já conseguimos centenas de empregos e a atenção de jornais, sites e TVs. E AGORA?

Está na hora de darmos o passo seguinte.

Precisamos de recursos para aperfeiçoar o design do totem, cobrir despesas de locomoção do totem para levá-lo a eventos e espaço públicos, bancar a equipe de refugiados que acompanha o totem nos locais, pagar a equipe responsável por sua manutenção, adquirir toner e papéis para impressão dos cvs. Cada vez que o totem fica em algum espaço conseguimos abrir as portas do mercado formal de trabalho para centenas de refugiados.

Basta um pouco, mas dado de coração pode fazer a diferença e garantir melhores condições de vida e mais dignidade às pessoas com status de refugiados ou imigrantes sem condições no Brasil.

E os doadores ainda ganham alguns benefícios. Confira ao lado.

ATENÇÃO!

Não há limites para as doações. A captação está sendo gerida pela ONG Estou Refugiado e a quantia arrecadada será investida inteiramente neste projeto. Caso queira saber mais sobre o Estou Refugiado e doar para outras ações que empreendemos, visite estourefugiado.com.br

Contamos com você!